Ligue-se connosco

Avaliações Usados

Mercedes Classe C (2007-2014)

Published

on

Este é o Classe C que todos querem ter e um dos mais bem conseguidos da história da Mercedes-Benz.

Para quem procura um automóvel distinto e confortável o Mercedes Classe C é uma escolha incontornável. Tem melhores acabamentos, qualidade de construção e conforto superiores aos seus rivais BMW Série 3 e Audi A4. A geração de 2007 do Classe C tem um chassis mais dinâmico e um nível de equipamento de segurança tanto ativa como passiva muito elevado.

Nesta geração surgem caixas automáticas muito eficientes que tornam a condução mais agradável e uma gama de motores muito interessante que abrange todo o tipo de utilização, desde a mais económica até á mais desportiva. A maioria das vendas centrou-se no C220 CDI e será esse o que encontrará mais facilmente como usado.

Recomendamos que procure um carro vendido no mercado nacional. A maioria dos carros importados deste modelo podem ter sofrido adulterações do conta-quilómetros, uma prática muito usual dos “importadores” para ganharem mais dinheiro. Tenha cuidado e não acredite em carros importados de 2008 com 150.000 kms.

O Classe C padeceu de problemas com a eletrónica nas primeiras séries de 2007 até ao final de 2008, sendo que algumas ainda se manifestam nestas unidades.

A habitabilidade traseira foi um dos maiores defeitos apontados, acusando a Mercedes de não ter contemplado o espaço que os anteriores Classe C ofereciam aos passageiros traseiros.

Motores

A gama de propulsores apresenta-se com quatro opções a gasolina e cinco a gasóleo. Se bem que o mercado nacional não consome as versões a gasolina e são raros os exemplares que encontrará que não sejam movidos por motores Diesel.

Nos motores a gasolina a gama começa no 180 Kompressor e CGI com caixa automática de 156 cv para uma cilindrada de 1,6 litros. O bloco de 1,8 litros serve de base ao 200 K, 200 CGI e 250 K com potências de 184 e 204 cv incluindo as versões Bluefficiency (BE). Segue-se um bloco de 3 litros para as versões 280 e 300 com 231 cv. Por último, o bloco de 3,5 litros do 350 e 350 CGI com potências de 272, 292 e 306 cv.

A oferta Diesel começa no 180 CDI de 120 cv, segue-se o 200 CDI de 136 cv e o 220 CDI com 170 cv (cuidado com os importados), 250 CDI de 204 cv e os 300, 320 e 350 CDI de 224, 231 e 265 cv, respetivamente.

As versões Bluefficiency e BlueTEC têm efetivamente consumos muito interessantes sem perder “pulmão” na hora de acelerar.

Principais avarias e problemas

Como já referimos anteriormente, o Classe C sofreu com algumas disfunções ao nível da eletrónica com desconfigurações diversas que obrigaram a reprogramações da centralina, em diversas unidades fabricadas em 2007 e 2008.

Os 220 e 250 CDI apresentaram diversas unidades com injetores de gasóleo defeituosos. Toda a gama CDI sofreu com riscos de fuga na bomba de água e desgaste prematura da embraiagem.

A ar condicionado registou avarias nos componentes do compressor até ao final de 2008. A direção assistida de 9000 unidades produzidas durante 2010 foram chamadas aos concessionários para substituir tubagens com defeito que implicavam fugas e perda de eficácia da direção.

Mercedes Classe C (2007-2014)
8.1 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Gama de motores Diesel
Qualidade de construção
Conforto
Contras
Habitabilidade traseira
Fiabilidade eletrónica
Fiabilidade7.5
Custos de manutenção6.5
Desvalorização9.5
Qualidade dos materais9
Habitabilidade e bagageira7
Segurança8.5
Conforto8
Consumo combustível8.5
Comportamento dinâmico8
Performance8
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avaliações Usados

Skoda Fabia (2000–2007)

Published

on

A primeira geração do Skoda Fabia marca o renascimento da marca checa, uns anos depois de ter passado a ser controlada pelo Grupo Volkswagen. Partilhando a plataforma A04 com o Volkswagen Polo e com o Seat Ibiza, o Fabia colocava-se perante estes com a opção mais clássica e, ao mesmo tempo, mais pragmática. Ainda assim, em Portugal, foi o menos vendido.

O Skoda Fabia não apaixona pela sua imagem exterior, mas convence facilmente pela qualidade de construção e montagem, que se revela bastante sólida e robusta.

A habitabilidade é bastante boa para o segmento, com espaço em todos os sentidos, até na bagageira, ainda que o seu acesso não seja o melhor. O design do interior segue as linhas do exterior, apresentando simples e clássico. Os comandos estão todos bem localizados e a leitura dos instrumentos é simples. Não há falta de espaços de arrumação.

Os níveis de equipamento dividem-se em Classic, Comfort e Elegance, sendo que nem mesmo o Elegance é extraordinariamente equipado. As diferenças resumem-se mais aos acabamentos e pormenores estéticos.

Ao volante, a posição de condução é boa, até porque há regulação em altura para o banco e coluna de direção. Um pisar suave e uma condução bastante fácil, mesmo em manobras. A dinâmica é a esperada para o segmento em causa.

Motores

Em Portugal, a versão mais comum designa-se por 1.2, ainda que o motor tenha seja um quatro cilindros de 54 cv até meados de 2003 e um de três cilindros e 65 cv daí para a frente. O primeiro tem prestações tremendamente modestas, sendo apenas aconselhável se o orçamento não permitir mais. O segundo continua a ser mais indicado para uma utilização em circuito urbano, mas é bem melhor que o seu antecessor. Há algumas unidades com o bloco 1.4, nas versões de 75 e 100 cv, mas só aconselhamos esta última. São ambos algo gastadores, mas o segundo tem prestações bastante melhores. Igualmente popular é o bloco Diesel 1.4 TDI, também com três cilindros. Tem um funcionamento peculiar, mas boas prestações e excelentes consumos.

Principais avarias e problemas

Há relatos de quebras dos apoios do motor, por serem frágeis. Atenção aos canais de escoamentos da água da chuva e lavagens, que tendem a entupir e, desse modo, a provocar inundações no habitáculo.
Alguns problemas com a EGR no motor 1.2 de três cilindros.

Skoda Fabia (2000–2007)
6.2 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Robustez
Facilidade de condução
Espaço interior
Contras
Design algo anónimo
Imagem da marca
Prestações da maioria dos motores
Sumário
Menos comum que os seus primos, o Skoda Fabia não deixa de ser uma boa opção para quem procura um companheiro de dia-a-dia fácil de conduzir, espaçoso e com preço acessível.
Fiabilidade7
Custos de manutenção7
Desvalorização5
Qualidade dos materais6
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7
Conforto7
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico5
Performance5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Mazda 3 (2009-2013)

Published

on

Não há muitos Mazda 3 usados disponíveis no mercado porque as vendas deste pequeno familiar não foram expressivas. Os poucos que existem garantem boa fiabilidade e uma manutenção reduzida, o seu maior trunfo.

Para quem procura um carro diferente dos que integram as marcas generalistas, o Mazda 3 é uma escolha a ter em conta. Tem um “look” desportivo, uma construção e acabamentos acima da média e uma boa valorização como usado, ou seja, é um carro que desvaloriza menos que os seus rivais.

A sua suspensão garante um bom comportamento dinâmico e uma condução muito agradável, mas penaliza o conforto por ser demasiado firme e em piso degradado até um pouco desconfortável. A direção é bastante direta e precisa e a travagem muito potente e eficaz.

Por dentro, o design não é apelativo, valendo pela funcionalidade e arrumação do tablier e consola que resulta agradável. As principais críticas acusavam o Mazda 3 de apresentar demasiados botões/comandos, inclusive no volante e dos plásticos da consola serem de qualidade inferior.

A habitabilidade traseira não é referência e acessibilidade também não. Não é fácil para um adulto de estatura elevada sentar-se no banco traseiro.

As versões mais vendidas em Portugal estavam equipadas com motores Diesel, em especial o 1.6 de 109 e 115 cv que oferecem uma condução económica, com alguma preguiça a baixos regimes.

Motores

A oferta de motores nesta geração do Mazda 3 é curta, tendo em conta que a marca japonesa nunca quis ter um leque muito alargado de propulsores. Como diz o povo por cá, “poucos mas bons”, e na realidade os motores da Mazda são bastante fiáveis.

A gasolina são três, o mais vendido em Portugal foi o 1.6 MZR de 105 cv, praticamente inexistente a venda dos motores 2.0 de 150 cv e 2.3 MPS de 260 cv.

Os Diesel centraram o foco no 1.6 MZ-CD de 109 e 115 cv, tendo ainda na oferta o 2.0 de 150 cv e 2.2 de 185 cv.

Principais avarias e problemas

A fiabilidade caracteriza este produto da Mazda em conjunto com custos de manutenção reduzidos.

Registaram-se nos motores 1.6 MZ-CD problemas com o filtro de partículas (FAP) devido a situações de regeneração em percursos muito curtos que o veículo realizava. No 2.2 MZ-CD foi encontrada uma falha num captor do turbo que implicava perdas de potência.

Ruídos parasitas no banco do condutor devido a uma placa de apoio do assento e foi registado apenas nas primeiras unidades da primeira série.

Fecho centralizado funcionava mal quando utilizada a chave sem comando à distância.

Mazda 3 (2009-2013)
8 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Fiabilidade
Custos manutenção
Comportamento dinâmico
Contras
Conforto
Plásticos interiores
Habitabilidade traseira
Fiabilidade9
Custos de manutenção9
Desvalorização8.5
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira7
Segurança7.5
Conforto7
Consumo combustível8
Comportamento dinâmico8
Performance7.5
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler

Avaliações Usados

Volvo S40/V50 (2004 – 2012)

Published

on

Decorria o ano de 2004 quando a segunda geração dos Volvo S40/V50 – antes S40/V40 – se deu a conhecer. Nasceu sob a plataforma do Ford Focus, evoluiu a imagem exterior de forma discreta e renovando de forma evidente todo o habitáculo face à geração antecessora. Novos motores, numa inversão da aposta nos motores a gasolina para os Diesel.

Foi nesta altura que começámos a conhecer a linguagem estética para o habitáculo que, de certa forma, ainda podemos encontrar nos Volvo vendidos atualmente. Linhas direitas, minimalistas e igualmente modernas, ainda que a forma, por vezes, se sobreponha à função. Face à anterior geração, os materiais melhoraram bastante, assim como a montagem.

A habitabilidade melhorou, mas continuo a estar abaixo da média do segmento. No caso da carroçaria carrinha, V50, verifica-se também que a bagageira tem uma capacidade demasiado reduzida para os padrões da época.

Os níveis de equipamento dividem-se, literalmente, por três níveis: I, II e III. Mais tarde, as designações mudaram. A versão de acesso está bastante despida, contando apenas com os elementos de segurança e o ar condicionado. Para ter cruise control, por exemplo, é necessário ir para uma versão equipada.

Ao volante, a posição de condução é boa, assim como o conforto, que faz jus à boa escola sueca. Tudo suave e silencioso. A dinâmica não entusiasma, mas é suficientemente segura.

Motores

Além da plataforma, o Ford Focus e o Volvo S40/V50 partilham também diversos motores, com destaque para os Diesel 1.6 (110 cv) e 2.0 (136 cv), assim como o 1.6 a gasolina de 100 cv. Menos comuns no mercado português são os exclusivos Volvo 1.8 de 120 cv e T5 de 220 cv, ambos a gasolina.
Qualquer um dos Diesel oferece prestações suficientes, ainda que seja preferível optar pelo mais potente.
Os motores a gasolina desaconselhamos, pois o 1.6 tem prestações modestas, e o 1.8 e T5 têm consumos excessivos.
Em 2009, o motor 1.6 Diesel surge numa versão DRIVe, que garante melhores consumos e que, um ano depois, recebeu o sistema stop/start.

Principais avarias e problemas

Problemas com os motores 1.6 e 2.0 Diesel divididos por: válvula EGR, software e elementos elétricos.

Volvo S40/V50 (2004 - 2012)
6.7 Avaliação
0 Utilizadores (0 Votos)
Pros
Imagem
Qualidade de construção
Conforto
Contras
Habitabilidade
Equipamento de série
Capacidade da bagageira na V50
Sumário
Solidez, conforto e boa imagem é aquilo que o Volvo S40/V50. Com uma plataforma de um pequeno familiar, a habitabilidade ressente-se.
Fiabilidade6
Custos de manutenção6
Desvalorização6
Qualidade dos materais8
Habitabilidade e bagageira5
Segurança8
Conforto8
Consumo combustível6
Comportamento dinâmico7
Performance7
O que dizem os proprietários Faça a sua avaliação
Sort by:

Seja o primeiro a fazer uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Faça a sua avaliação

Your browser does not support images upload. Please choose a modern one

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Para ler

Newsletter

Em aceleração