Carro a gasóleo, a gasolina ou elétrico – Qual o melhor para si? – Motorguia
Ligue-se connosco

Novos

Carro a gasóleo, a gasolina ou elétrico – Qual o melhor para si?

Published

on

Gasóleo, gasolina ou elétrico

Com os motores a gasóleo cada vez mais ameaçados e a concentrarem atenções pela negativa, surgem outras alternativas como os elétricos, híbridos ou simplesmente a gasolina. Os preços dos combustíveis, dos veículos e as vantagens e desvantagens e para onde apontam as tendências, são os dados que lhe colocamos na mesa para que possa decidir qual será o combustível que o seu novo carro vai utilizar.

Uma questão de CO2

Os motores Diesel têm os dias contados. Este é o cenário que muitas cidades e governos europeus apontam para um prazo de 10 a 15 anos. No entanto, nos próximos cinco anos os motores a gasóleo continuarão a ser os mais económicos do mercado por via do preço do combustível face ao preço da gasolina. As emissões de CO2 vão continuar na ordem do dia, mas os fabricantes estão a reduzir bastante a emissão de gases contaminantes nos motores Diesel.

Se vai trocar de carro nos próximos 5 anos, o Diesel ainda é uma boa opção.

Potência e binário

Os motores Diesel sempre foram mais “despachados” que os gasolina por montarem na sua maioria turbocompressores que lhes permitem reagir mais cedo, a baixas rotações, e ganhar velocidade e recuperar a aceleração com maior facilidade. Até as senhoras preferem um carro mais “viril” no momento de acelerar.

Todavia, os construtores têm vindo a reduzir essa vantagem e aproximar os carros a gasolina deste tipo de desempenho com turbocompressores montados em motores de baixa cilindrada que conseguem níveis de potência muito semelhantes aos motores Diesel.

As novas gerações de motores turbocomprimidos a gasolina respondem ao acelerador com igual “virilidade”, são mais silenciosos, têm consumos semelhantes aos motores a gasóleo, são mais baratos em novos e menos onerosos na fatura da manutenção.

Se quer potência e economia, os carros a gasolina são uma excelente opção.

Diesel, Gasolina ou Elétrico

Para que quer o carro?

Esta é a pergunta que se impõe na hora de fazer contas. Que tipo de utilização vai dar ao automóvel e quais os percursos que vai fazer, assim como a quilometragem anual que julga realizar. Estes são os dados que importa avaliar para perceber se deve ou não optar por pagar mais no stand por um Diesel ou pode perfeitamente sair de lá ao volante de um carro a gasolina.

1 – Quilómetros anuais

Até 15.000 km – Escolha gasolina, híbrido ou elétrico

Até 25.000 km – Escolha gasolina ou híbrido (ou elétrico com autonomia superior a 300 km)

Mais de 30.000 – Escolha Diesel

 

2 – Tipo de percurso habitual

Cidade até 50 km/dia – Escolha gasolina, híbrido ou elétrico

Cidade e autoestrada até 100 km/dia – Escolha gasolina, híbrido ou Diesel

Estrada, autoestrada e cidade mais de 100 km/dia – Escolha Diesel

 

Qual o tipo de percurso diário?

Se faz um trajeto diário inferior a 10 km e não anda em autoestrada então não compre um Diesel com Filtro de Partículas DPF/FAP. Como o filtro de partículas não consegue aquecer o suficiente atingindo a temperatura ideal para regenerar as partículas, as avarias são constantes e o valor a pagar pela reparação muito elevado. Se não faz percurso em autoestrada ou via rápida, EVITE comprar um carro Diesel. Neste tipo de percursos opte por um carro a gasolina ou híbrido, sendo um elétrico a melhor opção.

Diesel, Gasolina ou Elétrico

Qual desvaloriza mais?

Os veículos Diesel são os que mais resistem à desvalorização. Também são os mais caros quando adquiridos em novos. A procura de automóveis com motor a gasóleo continua a ser superior no nosso país, tanto em novo como em usado. Por este motivo, a desvalorização dos Diesel é mais contida e resiste ao tempo, ou seja, um carro Diesel com 5 anos desvalorizou menos que o mesmo modelo a gasolina.

Com as normas ambientais cada vez mais apertadas sobre os Diesel esta tendência pode alterar-se nos próximos anos e até inverter-se. Recorde-se que são cada vez mais os fabricantes a deixarem de integrar motores Diesel na oferta de vários dos seus modelos.

Os carros elétricos têm uma desvalorização mais moderada que os gasolina, mas após os 5 anos de utilização surge as questão da substituição das baterias, que em alguns modelos custam mais de 12.000 euros. Este é o ponto que mais o deve preocupar se comprar um elétrico usado.

Preços da manutenção

Os Diesel têm valores de manutenção mais elevados que os carros a gasolina. As diferenças são significativas até numa simples revisão.

No caso das avarias, os Diesel são sempre mais onerosos porque a tecnologia Diesel envolve mais componentes e sistemas de injeção e exaustão mais complexos. Se um destes sistemas regista uma avaria os valores nunca são baixos na hora de pagar a fatura da oficina.

A manutenção mais barata é a dos veículos elétricos. As revisões são baratas e os componentes de desgaste normal como as pastilhas e discos de travão, filtros de ar condicionado, etc, são ao mesmo preço dos carros a gasolina. Não usam óleo de motor e a caixa de velocidades automática também não necessita de muita manutenção.

Diesel, Gasolina ou Elétrico

Qual o mais poluidor?

A polémica está instalada há alguns anos a esta parte sobre a tecnologia que mais emissão de gases emite para a atmosfera. Os Diesel sempre foram apontados como os mais poluentes, mas a introdução de sistema de “purificação” dos gases através dos Filtros de partículas e com a introdução do AdBlue, tendem a minimizar o impacto dos motores Diesel no ambiente.

Na verdade todos poluem, até os veículos elétricos. Sim, os carros movidos com motores elétricos abastecem a sua energia através da rede elétrica que chega até aos nossos lares através de centrais alimentadas a energias fosseis e por consequência essa energia utilizada pelos elétricos já realizou uma ação poluente antes do veículo de “zero emissões” iniciar a sua marcha.

Portanto, a resposta sobre qual o tipo de tecnologia que mais polui é sempre ambígua, sendo que os veículos elétricos são os que menos gases adicionam ao efeito de estufa.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manutenção

Como proteger o habitáculo do calor

Published

on

Entrar dentro de um automóvel que esteve ao solo num dia de verão com um calor abrasador é sempre uma experiência desagradável para o condutor e ocupantes e o próprio habitáculo do veículo sofre com isso sendo certo que com o tempo o interior vai acusar a acumulação de dias assim envelhecendo e desgastando-se mais prematuramente.



Mas todos os incómodos de um dia de calor e sol podem ser minimizados e para tal deixamos-lhe estes cinco conselhos para proteger o habitáculo do seu automóvel do calor:

1 – Estacione à sombra
Claro que nem sempre é possível, mas a melhor forma de proteger o seu automóvel das altas temperaturas e do sol é evitar estes fatores. Portanto se tiver opção escolha sempre um lugar à sombra além da temperatura ser mais baixa também resguarda o carro da luz direta do sol.

2 – Utilize para-sol
É a solução mais comum e também uma das mais eficazes na proteção dos plásticos do interior ao mesmo tempo que consegue reduzir a temperatura que se faz sentir no carro. Se possível utilize mais do que um, tentando tapar todas as superfícies vidradas (para-brisas dianteiro e traseiro e também as janelas). Se o para-sol for refletor melhor será o resultado.

3 – Limpe bem o habitáculo
Se tiver o habitáculo sujo com poeiras ou outras substâncias o calor pode literalmente “cozinhar” esses resíduos manchando tanto os plásticos como os estofos de tal forma que posteriormente é muito mais difícil limpar esses elementos do habitáculo. Portanto se mantiver o interior minimamente limpo evita ter mais trabalho no futuro e garante um ambiente bem mais saudável.

4 – Cuidado com os estofos
O sol e o calor são muito agressivos para os estofos, por isso uma das soluções é a aquisição de umas capas que além de protegerem o tecido dos estofos da sujidade também evitar o seu desgaste. Se forem estofos em pele então na primavera perca algum tempo a hidratá-los com um produto apropriado pois assim estarão mais preparados para as altas temperaturas e a pele hidratada e cuidada resiste muito melhor a futuros rasgos que podem surgir se a pele estiver seca e quebradiça.

5 – Deixe os vidros abertos
Naturalmente não se trata de deixar o automóvel com os vidros todos abertos em qualquer lugar. Mediante condições de segurança, como um local visível, movimentado, ou com serviço de segurança, deixe uma pequena nesga dos vidros abertos, apenas o suficiente para permitir a circulação do ar, mas o necessário para impedir “intrusões” indesejadas.

Continuar a ler

Manutenção

Em tempo de férias cuidado com a bagagem

Published

on

A época de verão é tradicionalmente a época das grandes viagens de férias e como tal é sempre uma altura em que acondicionar a bagagem toda no automóvel pode não ser uma tarefa simples. Mas além da vitória de conseguir levar tudo o que é necessário, há que ter em conta alguns cuidados importantes por questões de segurança.



Quando estás pronto para ir de férias e começa a arrumar a bagagem no seu veículo deve ter algumas coisas em consideração:

1 – Não abuse do físico
veja bem o peso de alguns dos volumes e não abuse de esforços ou das suas costas. Se for necessário utilize um troley com rodas para transportar a bagagem de sua casa para o automóvel. Não comece a sua viagem de férias com dores nas costas.

2 – Utilize apenas a bagageira
Se possível deve utilizar apenas o espaço disponível na bagageira do automóvel. Nunca deve colocar objetos em cima ou acima da chapeleira pois estes irão reduzir a sua visibilidade enquanto conduz.

3 – Distribua bem o peso
O equilíbrio do automóvel é importante e já é incómodo suficiente que por causa do peso ele vá mais pesado no eixo traseiro que no dianteiro. Portanto evite desequilibrá-lo também entre o lado esquerdo e o direito. Escolha os volumes mais pesados e rígidos (malas de viagem e afins) para colocar no fundo da bagageira e o mais centrados possível ao meio. Assim consegue minimizar alguma tendência que o carro tenha em estrada para descair para um dos lados e também evita que por ter colocado os objetos mais pesados em cima de outros mais leves haja uma “derrocada” de volumes na bagageira. Se possível fixe os vários volumes com uma rede com pontos de fixação para evitar que estes se desloquem.

4 – Evite objetos no habitáculo
Excetuando as habituais garrafas de água ou documentos, que devem ser guardados nos espaços de arrumação disponíveis no habitáculo, não deve ter objetos soltos no habitáculo. Em cima dos bancos, da chapeleira ou do tablier. Se houver algum azar, um acidente ou uma travagem violenta, esses objetos podem causar sérios danos físicos aos ocupantes.

5 – Alternativas seguras
Se os volumes que tem de transportar são essenciais para a viagem e excedem a capacidade da mala, então equacione a aquisição de uma solução alternativa para estes momentos como é o caso de uma mala de tejadilho para acomodar os objetos que não cabem na bagageira.

6 – Atenção aos números
Normalmente nestes momentos que antecedem as viagens de férias nunca se pensa no peso máximo permitido num automóvel ou na necessidade de alterar a pressão dos pneus quando este vai carregado de bagagem. No entanto são duas coisas importantes pois não deve exceder a tara permitida pois pode colocar em risco a segurança e os pneus também devem ter a pressão adequada recomendada pela marca para o peso do carro pois só assim estes terão o melhor desempenho.

7 – Mais cuidado ainda na condução
Uma vez na estrada não se esqueça que o seu automóvel está mais pesado, por isso trate de definir bem as trajetórias em curva de maneira a evitar os movimentos da carroçaria que poderão desequilibrar o veículo devido ao peso extra que transporta e também não se esqueça que estando mais pesado as distâncias de travagem vão ser maiores, logo obrigando a uma maior precaução e antecipação no momento de travar.

Continuar a ler

Novos

Ainda se faz a rodagem nos dias de hoje?

Published

on

Sempre que se compra um carro novo o tema da rodagem acaba por vir à baila. Noutros tempos idos era um cuidado obrigatório nos modelos novos, mas a evolução na construção automóvel tem vindo a reduzir a sua importância gradualmente até ao ponto de hoje em dia praticamente não ser necessário um rigor exagerado com a rodagem. Há no entanto alguns cuidados que convém ter para que os primeiros quilómetros de um veículo possam garantir uma melhor durabilidade do mesmo.



No passado era normal ouvir-se dizer que não se podia andar a mais de 80 km/h nos primeiros milhares de quilómetros ou que as rotações não podiam passar de certo valor, mas hoje a indústria conta com tecnologias mais avançadas na produção dos elementos de um automóvel, nomeadamente do motor. Também os próprios lubrificantes apresentam uma qualidade superior e características que preservam mais os componentes do motor.

Por isso mesmo quando hoje se compra um automóvel novo praticamente não são referidos nenhuns cuidados excecionais a ter em conta e a sua utilização pode ser normalíssima logo desde a saída do stand. Basta ver os manuais atuais que raramente abordam o tema da rodagem, referindo apenas que é necessário algum cuidado com acelerações excessivas nos primeiros quilómetros.

Gerir o pé direito

No entanto não abusar nos primeiros tempos é meio caminho andado para garantir que os motores não consomem mais óleo que o previsto e com isso assegurar o seu bom estado durante mais tempo pelo que o conceito de “rodagem” não deve ser esquecido por completo. Só não é tão exigente nos dias de hoje como era no passado.

Cuidado nas travagens

Além disso, há vários outros componentes que devem ser bem tratados nos primeiros quilómetros. Deve evitar travagens bruscas, por exemplo, convém que as pastilhas de travão se ajustem corretamente aos discos e por isso deve travar de forma suave e progressiva.

Atenção aos pneus

Também os pneus novos possuem ainda gomas e resinas oriundas de fábrica e como tal não estão na plenitude das suas capacidades em termos de aderência, mas isso é algo que regulariza rapidamente. Ao fim de uns 100 quilómetros essas gomas já devem ter desaparecido.

Fazer as passagens de caixa de forma suave também vai ajudar. Não suba as rotações do motor em demasia para mudar de relação.

Verificar os níveis

Verifique de forma regular os níveis de óleo e de líquido refrigerante do motor. Faça-o pelo menos uma vez por semana e não se assuste se verificar que o motor está a consumir um pouco mais do que o esperado. Um motor novo ainda não está perfeitamente lubrificado e por isso é normal que consuma um pouco mais.

Após estes cuidados iniciais, assegure-se que cumpre com os intervalos de manutenção de maneira a poder usufruir do seu automóvel novo o mais tempo possível sem nenhuma surpresa menos agradável.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração