Ligue-se connosco

Notícias

Trotinetes sem lei

Published

on

Em Portugal pode fazer o que quiser e andar por onde bem entender porque não há legislação específica que impeça o uso das trotinetes. Já em Espanha a DGT está a preparar legislação para colocar a nova saga das trotinetes dentro da lei e multar quem não cumprir as regras.

As capitais europeias e as grandes cidades estão a ser alvo de uma invasão de trotinetes que promete dar que fazer às autoridades locais. A cidade de Lisboa foi inundada de trotinetes, com a autorização da Câmara Municipal de Lisboa, que são largadas pelos passeios causando transtorno a que neles circula e aos cidadãos com mobilidade reduzida – e em especial aos invisuais que tropeçam e caem – por causa destes elementos estranhos largados pelos passeios da capital.

No que à circulação diz respeito, as trotinetes quando misturadas com a falta de civismo e a negligência, são autênticas “bombas” prontas a potenciar acidentes graves. Os utilizadores deste novo tipo de “mobilidade urbana” circulam, nas ruas, avenidas, passeios, ciclovias e passadeiras, a velocidades impróprias e sem respeitarem regras, desprovidos de elementos de segurança como um simples capacete. E tudo isto sem que a polícia saiba o que fazer ou que leis aplicar a quem faz uso das trotinetes.

Em Espanha, a morte de uma mulher atropelada por uma trotinete colocou em causa todo o sistema desregulado, semelhante ao de Portugal, obrigando a Direção Geral de Tráfego (DGT) a tomar medidas imediatas. A lei será aplicada pelos municípios de acordo com as características das localidades. O principal objetivo é retirar as trotinetes da circulação nos passeios e encaminhar estes veículos para as ciclovias e estradas com menos trânsito.

Devido à quantidade e diversidade das trotinetes atuais, com, motores e velocidades diferentes, o principal obstáculo para o legislador está na categorização dos veículos. Também as idades dos utilizadores vão estar em foco, sendo que tudo aponta para os 16 anos como idade mínima para usar as trotinetes na via pública.

A velocidade máxima que o legislador espanhol pretende implementar é de 25 Km/h, sendo que todas as trotinetes terão de estar limitadas a esta velocidade. Todas as que quiserem circular acima desta velocidade vão ter de possuir matrícula e o limite será de 45 km/h. O uso de capacete é obrigatório em todos os tipos de trotinete.

Tudo ainda está a ser discutido, mas aponta para uma lei que regule este novo tipo de mobilidade urbana e que já começa a registar muitas queixas e acidentes.

Em Portugal tudo continuará na mesma. Não se admire se um destes dias encontrar uma trotinete a todo o gás em plena A1.

Notícias

Autoeuropa fabrica viseiras para hospitais

Published

on

Logo com o surgimento da pandemia do novo Coronavírus no nosso país a Autoeuropa doou viseiras e fatos de proteção a hospitais nacionais, nomeadamente o Curry Cabral e Santa Maria, ambos em Lisboa.



Agora um conjunto de trabalhadores desta fábrica da Volkswagen em Palmela em coordenação com a própria Autoeuropa está a produzir viseiras para o Hospital Nossa Senhora do Rosário, no Barreiro e o Hospital de Setúbal.

Recorrendo à maquinaria de impressão 3D estes trabalhadores continuarão a produzir estas viseiras enquanto houver matéria prima disponível ajudando assim na proteção dos elementos das entidades de saúde neste combate à pandemia do Covid-19.

Continuar a ler

Notícias

Rali de Portugal adiado por causa do Coronavírus

Published

on

A pandemia do vírus Covid-19 continua a adiar eventos e neste caso foi o WRC Vodafone Rally de Portugal que foi adiado mais para o final da época, ainda sem uma data definida.



Inicialmente agendado para decorrer no nosso país entre 21 e 24 de Maio, o rali de Portugal foi adiado numa decisão tomada em conjunto pela FIA, o ACP e as autoridades nacionais.

Continuar a ler

Notícias

Coronavírus impõe novas regras nos transportes públicos

Published

on

O Ministério do Ambiente definiu um conjunto de novas regras para os transportes públicos de maneira a combater a pandemia causada pelo vírus Covid-19 e aumentar a segurança para quem trabalha nos transportes.



Assim os taxis ou veículos TVDE poderão continuar a desenvolver a sua atividade garantindo os serviços essenciais à população, mas deixam de poder transportar passageiros no banco da frente e os veículos devem ser higienizados assegurando que as suas superfícies são limpas e o ar renovado. Além disso os municípios podem estabelecer condições especiais de circulação caso sejam necessárias.

Já nos transportes públicos coletivos as entidades gestoras como o Metropolitano de Lisboa, Metro do Porto, Soflusa, Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) e Metro Ligeiro da margem sul do Tejo devem garantir que o número de passageiros não seja superior a um terço da lotação do transporte, reduzindo assim os aglomerados de pessoas.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração