Quilómetros adulterados – Como descobrir – Motorguia
Ligue-se connosco

Usados

Quilómetros adulterados – Como descobrir

Published

on

Tirar quilómetros a um automóvel ainda é prática comum no nosso país. Antes de avançar para o negócio de carro usado lembre-se que os quilómetros apresentados podem não ser reais.

LIVRO DE REVISÕES – Ainda é comum os carros terem livro de revisões. Não deixe de perguntar por ele independentemente dos anos que o carro tiver. Com o livro pode ver as primeiras revisões e perceber quanto andou e os que fez nos primeiros anos.

Várias marcas abandonaram os livros e passaram a digitalizar essa informação nas suas bases de dados. Se tiver dúvidas leve o carro a um concessionário oficial. O Check-in de quilómetros é barato e fica com a dúvida resolvida.

Nunca se esqueça de fazer contas. Um carro nacional com motor a gasóleo faz em média 25.000 a 30.000 km por ano e um a gasolina entre 15.000 e 20.000. Já os comerciais podem fazer uma média superior a 50.000 km anuais. Multiplique pelos anos e veja se está a ser levando no conto do conta-quilómetros.

DIFÍCIL DISFARÇAR – O estado dos bancos dianteiros e do volante dizem muito da quilometragem do carro. O desgaste das capas dos pedais também. E os tapetes do fundo do carro também não escondem o uso. As inscrições nas manetes se tiverem desgaste também são um bom indicador.

As picadas das pedras no para-brisas, na grelha e no capot também denotam muitos quilómetros. Tente ver o carro à luz do dia para perceber se sofreu algum acidente ao encontrar diferenças de cor nos diversos painéis.

FAÇA UM TESTE – Nunca, mas NUNCA compre um carro sem andar com ele. Pode nem levar mecânico, mas há ruídos que até o mais leigo dos condutores percebe. Assim como uma embraiagem que custa a pegar numa subida ou uma fumarada no retrovisor. Uma raspar da mudança na engrenagem da caixa ou uma direção com folgas são fáceis de detetar. Ande com o carro ou não haverá negócio.

REGISTO DE INSPEÇÕES PERIÓDICAS – Quando tiram quilómetros a um carro o único registo de IPO que existe é o último. Não deixe de pedir todos os registos das inspeções através do site do IMT. Siga este link e preencha a matrícula do carro que quer comprar. Receberá no seu e-mail o relatório de todas as inspeções do carro com os quilómetros em cada inspeção.

Outra alternativa de informação que não deve descurar é o VIN. Por cerca de 10 euros pode ter acesso a tudo o que aconteceu e está regista no número de identificação do veículo (VIN). Basta que o vendedor o deixe anotar o número do VIN e fazer a pesquisa numa base de dadas como a vin-info.com (tem versão portuguesa).

CARROS IMPORTADOS – FUJA DELES – Tenha muito cuidado com os carros importados. São os maiores “clientes” do golpe do conta-quilómetros. A esmagadora maioria dos carros importados chegam a levar cortes de 200.000 km ou mais quando passam para o lado de cá da fronteira. Pergunte sempre se o carro é importado. Se a resposta for afirmativa fuja desse negócio o mais rápido possível. Tem 90% de possibilidades de ser enganado… e estamos a dar uma percentagem otimista.

AS DESVANTAGENS – A principal desvantagem de comprar um carro adulterado é a segurança. Você pensa que comprou um carro de 80.000 kms e, afinal, ele já passou os 300.000 kms. Muitos dos componentes estão desgastados e em vias de falharem. As despesas vão ser muitas e inesperadas e o comprador acha que teve “azar” com o carro, quando na verdade o carro só está a pedir que substituam peças desgastadas pela quilometragem que já fez.

PERDER VALOR – Se no dia em que tentar vender o carro e o futuro dono descobrir que os quilómetros foram severamente reduzidos, será você o culpado e considerado o criminoso. Vai perder muitos milhares de euros de desvalorização no seu carro e poderá enfrentar um processo judicial por tentativa de burla.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção

Os segredos das escovas

Published

on

Garantir uma boa visibilidade é uma das condições chave para uma condução segura e nesse campo as escovas limpa para-brisas são determinantes. Por isso aqui o ajudamos a identificar quando estão a ficar gastas e como mantê-las em bom estado de funcionamento.



Há vários sintomas que indicam que as escovas não estão em bom estado:

– O ruído
O típico chiar das escovas no vidro quando estão a funcionar pode indicar que a borracha está ressequida ou deformada.
– Vibrações
Quando a escova faz alguma vibração ou até parece saltar isso pode indicar que já deformou ou que o adaptador da haste não é o correto ou já não está em condições.
– Marcas no vidro
Se a escova deixa marcas de arrasto no para-brisas isso também pode indicar que a borracha está envelhecida ou deformada.
– Falhas no funcionamento
Se a escova falha especialmente quando está no ritmo mais elevado isso indica que está na hora de ser trocada.

Como manter as escovas em bom estado

– Mantenha o vidro limpo
A sujidade e os insetos agarrados no vidro podem deformar e danificar as escovas. Se o vidro estiver limpo consegue evitar esse desgaste na borracha.
– Limpe as escovas
A própria borracha acumula poeiras e sujidade por isso sempre que limpar o vidro, limpe também a borracha das escovas.
– Cuide das hastes
Veja sempre se as hastes, os adaptadores e as articulações estão em bom estado. Só assim é feita uma pressão correta da borracha sobre o vidro evitando o desgaste prematuro.
– Escolha bem o líquido do limpa para-brisas
Evite produtos com elementos abrasivos que sendo eficazes na limpeza do vidro podem, no entanto, danificar a borracha tornando-a ressequida e quebradiça.

Continuar a ler

Manutenção

Saiba como poupar os seus travões

Published

on

Os travões são dos elementos mais determinantes na segurança de um veículo e devem ser utilizados de forma eficaz e garantir que estão em bom estado para que o seu rendimento seja o ideal.



Saber utilizar bem o sistema de travagem pode ajudar a reduzir o seu desgaste e com isso marcar pontos tanto na segurança como na carteira, pois dessa forma só terá de substituir as pastilhas, ou até os discos, mais tarde, do que se abusar dos travões.

Assim, conduza de forma suave sem abusar de acelerações ou travagens bruscas. Quando travar o ideal é que pressione o pedal com convicção no início da travagem e depois vá aliviando o pé reduzindo o esforço. Não deixe demasiado tempo o pé no pedal. Desta forma causa menos desgaste nas pastilhas, nos discos e na própria bomba de travões pois está a causar menos desgaste nos componentes devido à fricção ou ao sobreaquecimento.

Sempre que possível recorra ao efeito de travão motor utilizando a caixa de velocidades de forma a que seja o rendimento do motor a “segurar” o carro em vez de ir sempre “pendurado” nos travões.

Desta forma os elementos do sistema de travagem mantêm o seu bom estado durante mais tempo com óbvios benefícios para a condução, segurança e custos de manutenção.

Continuar a ler
Publicidade

Newsletter

Em aceleração