Quilómetros adulterados – Como descobrir – Motorguia
Ligue-se connosco

Usados

Quilómetros adulterados – Como descobrir

Published

on

Tirar quilómetros a um automóvel ainda é prática comum no nosso país. Antes de avançar para o negócio de carro usado lembre-se que os quilómetros apresentados podem não ser reais.

LIVRO DE REVISÕES – Ainda é comum os carros terem livro de revisões. Não deixe de perguntar por ele independentemente dos anos que o carro tiver. Com o livro pode ver as primeiras revisões e perceber quanto andou e os que fez nos primeiros anos.

Várias marcas abandonaram os livros e passaram a digitalizar essa informação nas suas bases de dados. Se tiver dúvidas leve o carro a um concessionário oficial. O Check-in de quilómetros é barato e fica com a dúvida resolvida.

Nunca se esqueça de fazer contas. Um carro nacional com motor a gasóleo faz em média 25.000 a 30.000 km por ano e um a gasolina entre 15.000 e 20.000. Já os comerciais podem fazer uma média superior a 50.000 km anuais. Multiplique pelos anos e veja se está a ser levando no conto do conta-quilómetros.

DIFÍCIL DISFARÇAR – O estado dos bancos dianteiros e do volante dizem muito da quilometragem do carro. O desgaste das capas dos pedais também. E os tapetes do fundo do carro também não escondem o uso. As inscrições nas manetes se tiverem desgaste também são um bom indicador.

As picadas das pedras no para-brisas, na grelha e no capot também denotam muitos quilómetros. Tente ver o carro à luz do dia para perceber se sofreu algum acidente ao encontrar diferenças de cor nos diversos painéis.

FAÇA UM TESTE – Nunca, mas NUNCA compre um carro sem andar com ele. Pode nem levar mecânico, mas há ruídos que até o mais leigo dos condutores percebe. Assim como uma embraiagem que custa a pegar numa subida ou uma fumarada no retrovisor. Uma raspar da mudança na engrenagem da caixa ou uma direção com folgas são fáceis de detetar. Ande com o carro ou não haverá negócio.

REGISTO DE INSPEÇÕES PERIÓDICAS – Quando tiram quilómetros a um carro o único registo de IPO que existe é o último. Não deixe de pedir todos os registos das inspeções através do site do IMT. Siga este link e preencha a matrícula do carro que quer comprar. Receberá no seu e-mail o relatório de todas as inspeções do carro com os quilómetros em cada inspeção.

Outra alternativa de informação que não deve descurar é o VIN. Por cerca de 10 euros pode ter acesso a tudo o que aconteceu e está regista no número de identificação do veículo (VIN). Basta que o vendedor o deixe anotar o número do VIN e fazer a pesquisa numa base de dadas como a vin-info.com (tem versão portuguesa).

CARROS IMPORTADOS – FUJA DELES – Tenha muito cuidado com os carros importados. São os maiores “clientes” do golpe do conta-quilómetros. A esmagadora maioria dos carros importados chegam a levar cortes de 200.000 km ou mais quando passam para o lado de cá da fronteira. Pergunte sempre se o carro é importado. Se a resposta for afirmativa fuja desse negócio o mais rápido possível. Tem 90% de possibilidades de ser enganado… e estamos a dar uma percentagem otimista.

AS DESVANTAGENS – A principal desvantagem de comprar um carro adulterado é a segurança. Você pensa que comprou um carro de 80.000 kms e, afinal, ele já passou os 300.000 kms. Muitos dos componentes estão desgastados e em vias de falharem. As despesas vão ser muitas e inesperadas e o comprador acha que teve “azar” com o carro, quando na verdade o carro só está a pedir que substituam peças desgastadas pela quilometragem que já fez.

PERDER VALOR – Se no dia em que tentar vender o carro e o futuro dono descobrir que os quilómetros foram severamente reduzidos, será você o culpado e considerado o criminoso. Vai perder muitos milhares de euros de desvalorização no seu carro e poderá enfrentar um processo judicial por tentativa de burla.

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção

Na manutenção do seu carro não se esqueça do ar condicionado

Published

on

Muitas vezes o sistema de ar condicionado do automóvel só é lembrado quando deixa de fazer frio ou quente dentro do habitáculo. No entanto, é importante que regularmente esteja atento e que faça a correta manutenção deste sistema para que tenha sempre um “bom ar” no seu carro.



Substituir o filtro do ar condicionado ou mudar o gás do sistema são tarefas que nem sempre estão na ordem de prioridades na manutenção do seu automóvel, mas deviam estar ao mesmo nível de uma mudança de óleo ou do filtro de combustível, por exemplo.

Manter a qualidade do ar no interior do seu veículo e assegurar uma boa manutenção do sistema de ar condicionado são determinantes para manter uma boa saúde a bordo e também para poder evitar despesas avultadas num eventual arranjo do ar condicionado. Vejamos alguns pontos importantes a ter em conta:

Troque o filtro do ar condicionado

Na manutenção de um veículo o filtro do ar condicionado não é uma peça que se possa considerar das mais caras, por isso deve trocá-lo sempre que possível. Em cada revisão veja o estado do filtro e se este estiver sujo troque-o sem hesitações. No filtro do ar condicionado acumulam-se poeiras, sujidade e até bactérias que podem inclusive gerar algumas infeções. Por isso para manter um ar saudável e com poucos “cheiros” troque o filtro do ar condicionado.

Não deixe o sistema parado muito tempo

Nas épocas mais “amenas” é normal que não haja tanta necessidade de utilizar o ar condicionado, no entanto é bom para todo o sistema que o ligue e coloque em funcionamento durante algum tempo. Em muitos sistemas o próprio gás do ar condicionado atua como lubrificante do compressor do sistema. Por isso é sempre bom colocar todos os elementos em funcionamento para evitar que estes fiquem ressequidos e quebradiços.

Mude o gás do ar condicionado

Normalmente só quando o sistema deixa de fazer frio ou quente é que recorremos a uma oficina da especialidade e recarregamos o gás do ar condicionado. No entanto não deveria ser assim. O ideal será recarregar o gás no máximo de quatro em quatro anos pois assim mantém as capacidades de lubrificação do gás no sistema, evitando dissabores maiores pela avaria mais séria e cara de algum dos componentes, nomeadamente do compressor. Além disso nas oficinas da especialidade pode sempre proceder também a uma limpeza das condutas de refrigeração do automóvel o que obviamente vai também melhorar a qualidade do ar.

Continuar a ler

Manutenção

O que fazer se o carro está a perder óleo

Published

on

Nos automóveis com algum tempo é possível que haja uma fuga de óleo algures e por isso é necessário estar atento ao seu aparecimento pois assim pode evitar problemas mais complicados no futuro.



O óleo é um elemento fulcral no funcionamento do motor de um automóvel. É ele que garante a lubrificação de vários componentes mecânicos protegendo-os da fricção, ao mesmo tempo que também dissipa parte do calor gerado no interior do motor.

Os sintomas

Um dos sinais mais “fáceis” de detetar de que estamos perante uma fuga de óleo no carro é reparar que no sítio onde ele está estacionado está uma mancha escura por baixo, normalmente na zona debaixo do motor. Se tiver garagem, isso é ainda mais fácil de ver e de perceber que a mancha só pode ser do nosso carro. Contudo convém verificar se é mesmo óleo do motor, pois é normal que surjam manchas de água que resultam da condensação do ar condicionado ou então até podem ser outros problemas relacionados com o óleo dos travões ou o líquido de refrigeração.

Outros sinais de fuga de óleo menos evidentes podem ser alguns escorridos de óleo no próprio motor, algo que para ser detetado já obriga a que regularmente se abra o capot e se dê uma olhadela aos vários componentes mecânicos numa inspeção rotineira meramente visual.

Perceber a dimensão da fuga

Concentrando-nos no óleo do motor, se detetou algo errado o primeiro passo é verificar o nível do óleo através da vareta habitual e tentar perceber qual a gravidade da situação. Lembre-se que convém ver o nível com o carro estacionado a direito, sem inclinação nenhuma e depois do motor arrefecer. Se o nível estiver entre o mínimo e o máximo é sinal que a fuga pode ser recente e por enquanto ainda não será muito grave, o que lhe dá tempo para procurar um profissional para resolver o problema antes que este se complique. Se o óleo estiver abaixo do nível mínimo, então é preciso ter muito cuidado. Encha o depósito do óleo e dirija-se o mais rapidamente possível a uma oficina. Assim garante que pelo menos tem lubrificação para essa viagem.

A melhor solução

Diagnosticar de forma exata onde está a fuga compete naturalmente a um profissional e por isso recorrer aos seus serviços é a melhor forma de lidar com uma fuga de óleo. Esta pode ter várias origens como uma fuga no próprio depósito do óleo, problemas com a junta da cabeça que deixa verter óleo ou até anomalias com o turbo. Seja como for só mesmo um profissional poderá aferir corretamente o problema e tratar da respetiva solução.

Uma solução “mais preventiva” é estar atento sempre que faz a revisão do seu automóvel e garantir que sempre que é feita a mudança do óleo é utilizado um óleo autorizado pelo fabricante e de boa qualidade. Além disso convém mudar o filtro do óleo sempre que troca o óleo. Normalmente não é um componente exageradamente caro e faz todo o sentido trocá-lo também pois poderá evitar problemas maiores e mais onerosos no futuro.

Continuar a ler
Publicidade

Publicidade

Newsletter

Ultimas do Fórum

  • por LetsMakeCakes
    Boa Tarde A ver se alguém me desfaz as duvidas: EU trabalho com pessoas com incapacidades físicas (mobilidade) e mentais, e exerço a...
  • por Ivox5
    Olá malta, estava a pensar adquirir um peugeot 206 1.6 hdi, porém o carro possui cerca de 290 mil km e gostava de saber se ja tem muitos km ou não...
  • por now
    Como indica o título estou a procura de um Youngtimer para adquirir durante este ano. Só falta a empresa acabar as obras no parque subterrâneo...
  • por Pneucareca
    Carlos Tavares veio confirmar que será apresentado no segundo semestre de 2025....

Em aceleração