Aquelas coisas escuras a que chamamos pneus – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção

Aquelas coisas escuras a que chamamos pneus

Published

on

O único elemento em contacto direto entre o solo e o automóvel é o pneu. Só por aqui percebemos o motivo de ser um dos mais importantes elementos de segurança num automóvel.
Não existe um período específico para trocar de pneus, mas, em média, um jogo de quatro durará entre 40.000 e 50.000 quilómetros. Todavia, tudo depende do tipo de pneu, do tipo de automóvel e, fundamentalmente, do tipo de condução.

Nunca deverá esquecer que a altura mínima do rasgo do pneu é de 1,6 mm, valor mínimo para passar na inspecção e valor mínimo ainda para garantir a segurança do veículo. Tenha sempre a direção alinhada e as rodas equilibradas. Desta forma, poderá assegurar um maior período de duração dos pneus.


Igualmente importante para uma boa manutenção dos pneus é a aferição da pressão no seu interior, que deverá ser feita a cada 1.000 km, num cenário ideal. O aconselhado é respeitar a pressão indicada pelo fabricante, que poderá estar junto à porta do condutor ou na tampa de acesso ao bocal de abastecimento. Mas estará também no manual de instruções, certamente. Pressão a mais, além de deixar o automóvel com menos conforto, poderá provocar maior desgaste no centro dos pneus, ao passo que uma pressão insuficiente prejudicará os consumos e acelerará o desgaste nos ombros dos pneus.

A legalidade

Os automóveis apenas podem usar pneus cuja medida esteja registada no campo “pneumáticos” do DUA ou no campo “anotações especiais”. Tudo que seja diferente, não será legal. Ou seja, na futura inspecção periódica, terá certamente problemas. Se não tiver, o inspetor não estará a cumprir bem a sua função. Se a polícia detetar esta alteração, poderá ser alvo de uma coima de 120 euros.

Tecnicamente, a questão é mais complexa e depende de caso para caso. Se a alteração da medida for apenas na largura, ou seja, com aumento da superfície em contacto com o solo, teremos maior aderência, mas também redução da performance a aumento do consumo. Usando a proporcionalidade direta, o valor do perfil do pneu deverá descer, mas a altura absoluta do pneu será sensivelmente a mesma, pois o valor do perfil é uma percentagem do valor da largura. Reduzindo o perfil em absoluto, terá perdas no conforto, pois haverá menos borracha a absorver as irregularidades.


 

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Manutenção

Conselhos simples antes da Inspeção Periódica

Published

on

Por vezes uma Inspeção Periódica pode não correr bem e o veículo ser chumbado por uma pequena anomalia que pode ser detetada e evitada com facilidade, bastando para isso fazer uma simples e rápida verificação ao seu automóvel antes de se dirigir ao Centro de Inspeções.



Chumbar numa Inspeção Periódica por um detalhe como uma simples lâmpada não faz nenhum sentido porque uma verificação rápida e básica pode poupá-lo do trabalho de ter de voltar a fazer nova inspeção e obviamente poupá-lo também de mais um custo.

Assim, aqui ficam alguns conselhos simples que não levarão mais de 10 minutos e poderão fazer a diferença entre uma Inspeção Periódica sem problemas ou uma reprovação.

1 – Luzes
Veja se toda a iluminação e sinalização do seu automóvel estão em funcionamento: mínimos, médios e máximos, piscas, luz de marcha atrás, luzes de travagem, faróis de nevoeiro e as mais pequenas, mas não menos importantes, luzes de matrícula. Já agora, confirme se tem um conjunto de lâmpadas suplentes não vá “o diabo tecê-las” no caminho até ao centro de inspeções.

 

2 – Equipamentos de segurança
Assegure-se que o triângulo está presente e em bom estado e veja também se tem o colete refletor e se este está num local de fácil acesso.

3 – Pneus
Verifique o estado dos pneus. Primeiro veja se estes são iguais por eixo e depois confirme o seu nível desgaste, ou seja, os sulcos do seu piso de rolamento não podem ser inferiores a 1,6 mm. Muitos dos construtores de pneus já possuem nos seus modelos uma marca indicadora desse limite. Caso o desgaste chegue a essa marca significa que o limite máximo de desgaste foi atingido.

4 – Visibilidade
Tenha atenção ao estado dos espelhos retrovisores, das escovas do limpa para-brisas e do nível do líquido de limpeza do para-brisas (dianteiro e traseiro se for caso disso). Já agora certifique-se que o sistema está bem calibrado e que não está a mandar líquido de limpeza para todo o lado, menos para onde deve: o para-brisas. Este também não pode ter fendas ou estar muito danificado pois isso também leva a uma reprovação.

5 – Limpeza
Não se esqueça que convém que o veículo não vá imundo, por fora e por dentro. A falta de limpeza pode levar à reprovação, por isso deve ser feita uma simples lavagem. Não é preciso nada de muito minucioso, mas convém que o carro não vá cheio de sujidade. Esta tarefa não leva só 5 ou 10 minutos a realizar, mas é importante.

 

6 – Anomalias anteriores
Caso o seu veículo já tenha registado uma anomalia leve (do tipo 1) numa inspeção anterior que sendo registada não justificou um chumbo, certifique-se que esta foi arranjada e corrigida. Se regressar ao centro de inspeções com uma falha anterior a reprovação é garantida.

Continuar a ler

Manutenção

Dicas para poupar combustível

Published

on

Independentemente do tipo de veículo ou do tipo de combustível, poupar nos consumos terá reflexo na carteira e, também considerando uma consciência ambiental, também reduzirá as emissões poluentes.



No seu dia a dia há pequenos gestos que podem reduzir os consumos do seu automóvel na sua utilização habitual e por isso aqui lhe deixamos algumas dicas para que possa baixar um pouco a rapidez com que o indicador de combustível desce.

Utilize menos o automóvel
É óbvio que se não usar o automóvel poupa em combustível. Parece uma sugestão despropositada, mas por vezes o hábito de andar de carro leva o condutor a utilizá-lo para todo o lado, para tudo e mais alguma coisa, fazendo muitas vezes um conjunto de deslocações que são completamente desnecessárias. Há pequenos trajetos dentro da sua própria localidade em que pode ir a pé, por exemplo. Além de poupar combustível, polui menos, ocupa menos estacionamento e até é bom para a saúde pois faz exercício.

Verifique o estado do veículo
Um automóvel em bom estado é mais eficiente no seu rendimento pois o motor não faz nenhum esforço extra para compensar perdas de energia causada por algumas anomalias. Verifique também de forma regular a pressão dos pneus. Utilizar a pressão recomendada pelo fabricante é meio caminho andado para poupar nos consumos pois um pneu com pressão a menos fica com uma maior superfície de contacto da borracha com o asfalto, o que aumenta o atrito e consequentemente o esforço do motor para o automóvel andar à mesma velocidade do que se tiver a pressão certa.

Ar condicionado só quando necessário
O ar condicionado é um elemento que hoje em dia é fundamental num veículo. Melhora o conforto e contribui também para a segurança ao garantir que o condutor está mais atento pois está mais confortável e que tem melhor visibilidade pois em caso de embaciamento a função de desembaciamento é mais eficaz. Contudo quando ligado ele consome energia, energia essa que vem do motor do automóvel o que logicamente faz com que os consumos aumentem. Portanto não se esqueça de desligar o ar condicionado quando não necessita dele.

Conduza com suavidade
O pé pesado é inimigo dos consumos. Acelerar muito ou esticar as rotações antes de uma passagem de caixa só farão o ponteiro do indicador do depósito descer mais rapidamente. Além disso aumenta o desgaste no seu veículo o que no futuro terá reflexo na conta da oficina. Acelere com suavidade e ande sempre com a relação de caixa adequada. Sempre que possa utilize uma relação acima da ideal para poder poupar combustível. Aproveite também a própria via onde circula. Se for a descer deixe de acelerar, mantenha o veículo engatado numa mudança e controlado deixe que de certa forma a gravidade faça o trabalho do motor que assim consume menos.

Não abuse da capacidade de carga
Quando utiliza o seu automóvel para transportar objetos não “leve a casa às costas”. Não exagere no peso que coloca no veículo pois como é compreensível o aumento do peso vai exigir mais do motor e, claro está, aumentar os consumos.

Continuar a ler

Manutenção

Como limpar bem o para-brisas

Published

on

O inverno é a estação do ano em que muitos automobilistas se arrependem de não ter limpo bem o para-brisas pois por causa do frio e da humidade é comum que este embacie com facilidade e torne a condução mais difícil pela perda de visibilidade.



Mesmo colocando o ar condicionado no máximo em modo de desembaciamento é por vezes difícil que o para-brisas fique limpo por muito tempo pois a sujidade e algumas gorduras dificultam a tarefa do desembaciamento.

Assim para evitar este contratempo que além de incomodativo é um fator que reduz a segurança pois diminui a visibilidade do condutor, aqui lhe deixamos alguns conselhos para limpar corretamente o para-brisas:

Começar por fora
Limpar bem o para-brisas começa pelo exterior. Utilizando um líquido limpa vidros borrife na maior área possível e com um pano limpe o vidro com movimentos verticais. Insista nos locais onde a sujidade pode ser mais resistente, como nos dejetos das aves ou nos restos de insetos que se acumulam. Aproveite para ver o bom estado das escovas limpa para-brisas e se for caso disso troque-as. Com o exterior bem limpo, torna-se mais fácil limpar o interior pois ficamos a saber que a sujidade que eventualmente se veja não está do lado de fora.

Cuidar do interior
Antes de começar a limpar a parte de dentro do para-brisas cubra os plásticos do tablier para os proteger dos borrifos do produto de limpeza de vidros. Utilize um pano bem limpo e de preferência de microfibras pois são mais eficazes na remoção da sujidade. Em vez de borrifar o produto de limpeza diretamente no vidro faça-o no pano, assim não espalha produto pelo ar e corre menos riscos que este acerte nos plásticos do habitáculo o que os pode danificar no futuro.
Limpe bem o para-brisas de forma a que não reste nenhuma mancha de gordura ou nenhum canto por limpar. Assim o trabalho do ar condicionado quando é necessário desembaciar o vidro torna-se mais fácil, rápido, eficaz e duradouro.

Continuar a ler
Publicidade

Estamos no Facebook

Newsletter

Em aceleração