Aquelas coisas escuras a que chamamos pneus – Motorguia
Ligue-se connosco

Manutenção

Aquelas coisas escuras a que chamamos pneus

Published

on

O único elemento em contacto direto entre o solo e o automóvel é o pneu. Só por aqui percebemos o motivo de ser um dos mais importantes elementos de segurança num automóvel.
Não existe um período específico para trocar de pneus, mas, em média, um jogo de quatro durará entre 40.000 e 50.000 quilómetros. Todavia, tudo depende do tipo de pneu, do tipo de automóvel e, fundamentalmente, do tipo de condução.

Nunca deverá esquecer que a altura mínima do rasgo do pneu é de 1,6 mm, valor mínimo para passar na inspecção e valor mínimo ainda para garantir a segurança do veículo. Tenha sempre a direção alinhada e as rodas equilibradas. Desta forma, poderá assegurar um maior período de duração dos pneus.


Igualmente importante para uma boa manutenção dos pneus é a aferição da pressão no seu interior, que deverá ser feita a cada 1.000 km, num cenário ideal. O aconselhado é respeitar a pressão indicada pelo fabricante, que poderá estar junto à porta do condutor ou na tampa de acesso ao bocal de abastecimento. Mas estará também no manual de instruções, certamente. Pressão a mais, além de deixar o automóvel com menos conforto, poderá provocar maior desgaste no centro dos pneus, ao passo que uma pressão insuficiente prejudicará os consumos e acelerará o desgaste nos ombros dos pneus.

A legalidade

Os automóveis apenas podem usar pneus cuja medida esteja registada no campo “pneumáticos” do DUA ou no campo “anotações especiais”. Tudo que seja diferente, não será legal. Ou seja, na futura inspecção periódica, terá certamente problemas. Se não tiver, o inspetor não estará a cumprir bem a sua função. Se a polícia detetar esta alteração, poderá ser alvo de uma coima de 120 euros.

Tecnicamente, a questão é mais complexa e depende de caso para caso. Se a alteração da medida for apenas na largura, ou seja, com aumento da superfície em contacto com o solo, teremos maior aderência, mas também redução da performance a aumento do consumo. Usando a proporcionalidade direta, o valor do perfil do pneu deverá descer, mas a altura absoluta do pneu será sensivelmente a mesma, pois o valor do perfil é uma percentagem do valor da largura. Reduzindo o perfil em absoluto, terá perdas no conforto, pois haverá menos borracha a absorver as irregularidades.


 

Clique para comentar

Deixe a sua resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Manutenção

Como ler o que “diz” um pneu

Published

on

Um pneu contém no seu flanco mais informação do que se espera e saber lê-la pode ser uma ajuda preciosa.



A mais simples e comum é a marcação da dimensão do pneu. Utilizando o exemplo gráfico da imagem abaixo temos um pneu 235/55 R17 99W:

Assim temos a largura do pneu (235), o seu perfil (55), a dimensão da jante (17), o índice de carga (99) e o índice de velocidade (W). Nestes dois índices o valor indicado tem uma equivalência numa tabela de carga e de velocidade que aqui ficam:

Índice de carga:

Índice de velocidade:

Mas a informação no flanco do pneu não se fica por aqui. É normal encontrar a referência “Tubeless” que indica que o pneu não precisa de câmara de ar (caso contrário indicaria “Tube Type”). Além disso existem também as marcações de inverno.

Quando o pneu inclui o símbolo de uma montanha com três picos e um floco de neve no centro, antes da indicação M+S, que significa lama e neve (Mud +Snow), então estamos perante um pneu de inverno testado para condições extremas de neve.

Para saber quando é que o pneu foi fabricado, essa indicação também está na lateral do pneu. Na linha de referências “DOT” os últimos 4 dígitos indicam a semana e o ano em que o pneu foi fabricado.

Este dado é importante pois normalmente são os quilómetros e o desgaste do pneu que dão indicação quando este tem de ser mudado, mas o tempo também é importante pois a borracha perde propriedades com o passar dos anos. Pode dar-se o caso de uns pneus terem feito poucos quilómetros, terem a banda de rolamento quase sem desgaste, mas não estarem em condições pois estiveram muito tempo parados e a borracha “endureceu” perdendo qualidade de aderência ou flexibilidade entre outras.

Continuar a ler

Manutenção

Os segredos das escovas

Published

on

Garantir uma boa visibilidade é uma das condições chave para uma condução segura e nesse campo as escovas limpa para-brisas são determinantes. Por isso aqui o ajudamos a identificar quando estão a ficar gastas e como mantê-las em bom estado de funcionamento.



Há vários sintomas que indicam que as escovas não estão em bom estado:

– O ruído
O típico chiar das escovas no vidro quando estão a funcionar pode indicar que a borracha está ressequida ou deformada.
– Vibrações
Quando a escova faz alguma vibração ou até parece saltar isso pode indicar que já deformou ou que o adaptador da haste não é o correto ou já não está em condições.
– Marcas no vidro
Se a escova deixa marcas de arrasto no para-brisas isso também pode indicar que a borracha está envelhecida ou deformada.
– Falhas no funcionamento
Se a escova falha especialmente quando está no ritmo mais elevado isso indica que está na hora de ser trocada.

Como manter as escovas em bom estado

– Mantenha o vidro limpo
A sujidade e os insetos agarrados no vidro podem deformar e danificar as escovas. Se o vidro estiver limpo consegue evitar esse desgaste na borracha.
– Limpe as escovas
A própria borracha acumula poeiras e sujidade por isso sempre que limpar o vidro, limpe também a borracha das escovas.
– Cuide das hastes
Veja sempre se as hastes, os adaptadores e as articulações estão em bom estado. Só assim é feita uma pressão correta da borracha sobre o vidro evitando o desgaste prematuro.
– Escolha bem o líquido do limpa para-brisas
Evite produtos com elementos abrasivos que sendo eficazes na limpeza do vidro podem, no entanto, danificar a borracha tornando-a ressequida e quebradiça.

Continuar a ler
Publicidade

Newsletter

Em aceleração